Policial penal acusado de matar guarda municipal em Foz tem prisão domiciliar negada pela justiça do Paraná
05/08/2022 Foz do Iguaçu

A Justiça do Paraná negou o pedido de prisão domiciliar apresentado pelos advogados do policial penal Jorge Guaranho, acusado de matar o guarda municipal Marcelo Arruda no dia 9 de julho. A decisão foi do juiz Gustavo Germano Francisco Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu.

SIGA O GUIA SÃO MIGUEL NAS REDES SOCIAIS:
YOUTUBE    TELEGRAM   INSTAGRAM
CLIQUE AQUI E RECEBA NOTÍCIAS NO WHATSAPP

A defesa havia solicitado a prisão domiciliar "em razão do seu estado de saúde e da necessidade de cuidados médicos". Vale lembrar que Guaranho segue internado após ter sido baleado e sofrido chutes na cabeça.

A previsão é que o policial tenha alta do Hospital Ministro Costa Cavalcanti nesta sexta-feira (5). Conforme a decisão da Justiça, ele deve sair da internação e ser encaminhado ao Complexo Médico Penal do Paraná, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Na decisão, o juiz ressaltou a postura “conflituosa, beligerante e intolerante” de Guaranho no assassinato de Marcelo Arruda e da “audácia do agente e desconsideração com a vida de vítimas secundárias” já que o policial disparou diversas vezes durante a festa de aniversário do petista.

Com informações do Paraná Portal.
Foto: Reprodução

 
MAIS NOTÍCIAS
    PARCEIROS